Quem sou eu

Minha foto
Alguém que ama a vida e odeia as injustiças

28 novembro, 2008

.
"...posso lançar.te um desafio?
espero.TE numa gargalhada ...DE VIDA"
MGabriela de cantochão lançou-me este desafio ao qual respondo:



Ah! Ah! Ah!

Ah! Ah! Rio e rio. O peito arfa. Explode. Entrechoca a onda que sobe e inunda a alma. Ah! Tenho vontade de gritar, rodar, saltar e arrebatar nas minhas mãos este pedaço de mundo. Ah! Sou feliz, porque sou gente. Trinco voraz cada suspiro de sentir. Ah! Escorre-me nas veias a seiva do espírito. Ah, a minha carne aquece-me os desejos. Ah!Ah! Sim, vivo, respiro e suspiro. Sou gente. Sou pessoa. Tenho o milagre da vida nas veias vermelhas. O sangue corre-me quente e senhor. Ah! Adoro ser, comer, chorar e amar. Aahaha! Vivo. Querem rir comigo? Querem? Venham, venham. Abram os braços, escancarem a alma e dancem com os olhos. Ah! Dobrem-se, rodopiem, girem e amem. Dêem-se. Entreguem-se. Com fulgor. Trinquem o sentir, esculpam o desejo, plasmem a união. Beijem com sofreguidão. Dêem-se, unam-se, misturem-se. A vida está aí. Escorre a baba quente por entre os lábios túrgidos do sentir. Soltam-se os cabelos em centelhas de cobre. O espraiar do desejo. A saciedade. A vida.

Nas minhas mãos escorre o sumo rubro da romã, nos meus lábios o néctar da maçã adoça-me. No meu corpo ,o suor tinge a pele glauca de brilho. Há gotas descendo por mim. Água e matéria. Vida.

Abro as mãos ao vento, deixo -o gotejar por entre os dedos. Fecho-as guardando no côncavo o segredo do mundo, o átomo do ser. O sal da vida. Sinto nos meus ombros o afagar dos murmúrios do infinito. Ah. Como vivo!

Ah, mas a vida palpita mais. Ah! Arqueio o corpo, e rio. Rio, porque tenho o mundo no meu ventre. Rio-me. Gargalhada fogo de ser. Ah! Como tudo palpita e se engrandece. O mistério do amor, do desejo. O tremor quente de um corpo em flor. Ah! Vida.

No olhar, no requebro do corpo, no encadear do pensamento, no poisar dos lábios, no sorriso, no gargalhar, no momento único, a vida!

Ah! Rio e choro, choro e rio, corro e quedo, salto e paro. Sou animal à solta, sou espírito em remanso. Ah! Sou vida, sempre, eterna, perene. Ah! Sou gente que sente, sou pedaço de alma, sou brasa ao rubro no passo do momento! Vida!

4 comentários:

claras manhãs disse...

E conseguiste, tão perfeitamente

beijinho

Paula Raposo disse...

Óptimo. Beijos.

addiragram disse...

Belo, porque sentido!

gabriela rocha martins disse...

superado

,touché! ,minha querida Maria Teresa



.
um beijo e uma enorme gargalhada
[ indescritível a VIDA ]