Quem sou eu

Minha foto
Alguém que ama a vida e odeia as injustiças

02 outubro, 2008

Yassin

[vista-oasis-duna-hassilabied.jpg]
Yassin

Yassin, de cócoras, sobre as suas pernas magras, perscruta o horizonte. Na mão a vara, símbolo de pastor, gira lentamente golpeando o vento. Já o sol vai alto. É hora de descanso. As cabras, dispersas por entre a secura das areias e das pedras, esgravatam o solo árido, na procura dos resquícios de erva quiçá cactos, que por ali existiram. O gado é magro e escuro. O balir é esparso de acordo com o alimento. Há que ser parco nos sons e nas atitudes. O silêncio toma o lugar. O rosto de Yassin sobressai da túnica amarelada, que a luz inclemente do sol torna quase alva, o keffiyeh protege-lhe a cabeça. É esquálido na estatura e no porte. O olhar é uma avelã madura. O nariz afilado sai por entre as rugas vincadas que dão ao rosto e ao pescoço as pregas da idade. Os zigomas são vincados, os lábios um traço fino de tonalidade diferente do mate escuro do rosto. As mãos esguias, descarnadas de dedos afilados que se abrem em palma como se tentassem guardar para si um punhado de coisa nenhuma. As unhas são escuras, rasgadas em bicos sujos de suor e terra. Yassin é um chleub. O orgulho corre-lhe nas veias A sua estirpe é altaneira. Os homens mandam, e as mulheres obedecem. São machos. O macho ordena. Assim foi criado. Assim a aldeia viveu. Assim o mundo girou até hoje. Yassin é alto negro de pele e cabelo. Um chleub distingue-se dos outros pelo seu porte, pela sua cor, pela sua voz de comando. As suas ovelhas e cabras apenas lhe obedecem. Naima, a sua mulher, que tem a mania de meter o nariz em tudo, já desistiu de as guardar. Elas não lhe conhecem a voz. Não possui aquele requebro de comando que o homem tem. E os animais são particularmente sensíveis, percebem e não obedecem. É aí que Naima lhe faz a cabeça em água. Com os seus constantes resmungos e arremessos. Naima dirige a casa, que é o seu mundo. Não abre a mão de nada. Naima não é doce., suave e envolvente. Não. Nada disso. É imperiosa, altiva e ríspida. Controla a alma da casa. A sua figura coaduna-se ao seu temperamento. Seca, destituída de carnes, pregueada e lesta. Governa de mão fechada, ele Yassin, mais sete filhos, dois cunhados e a sogra. Que Alá a conserve. Não é fácil para um homem ter que sustentar tanta gente e possuir paz de alma. Nisso a sua Naima tem a mais espinhosa das tarefas, a de olear o reino de casa.

Yassin ergue-se nas madrugadas quentes de verão, quando o sol espreita lá no fundo da aldeia. Escuta o balir das ovelhas no redil e, já de ouvido alerta, esfrega as janelas do seu rosto, salta da cama sem grande alarido, pois que a seu lado, Naima ressona no seu chiado de vagão enferrujado. Enfia os pés nas babuchas, veste o cirwal, a túnica e enfia a abaia, que por ora o protege do frio, e mais tarde do sol inclemente, pese o seu tarbush já estar na ponta do cajado. A madrugada é ainda gélida, sopra do Djebel Toubkal, o ar frio e acutilante que lava os maus pensamentos. Alá na sua divina sabedoria criou a aragem soprada de gelo da montanha para livrar os corações e as mentes do fogo do dia anterior. Varre as cinzas e deixa o lar pronto para uma nova fornada de actos. Alá é misericordioso, sábio e o seu Senhor. Ergue os braços já no exterior e dá uma rápida olhadela no azul que se veste rápido por cima da sua cabeça. Suspira murmurando: Inch-Ala!

Calcorreando o caminho feita de pedra e areia, Yassin entrega-se aos seus pensamentos, enquanto em fila mais ou menos alinhada, as ovelhas e cabras descem paulatinamente, mordiscando aqui e ali ,consoante as ervas ou cardos se apresentam. Pensa na sua família, na sua casa e no seu bairro. A sua fracção é na região de Tafilalet. A terra das tamareiras. Em breve será a festa das tâmaras de Erfoud. Ele sabe que a data tão temida está aí. Suspira. Não admira que Naima ande numa reviravolta, que os nervos estejam em franja, que ande toda eriçada num vai-que-vem sem descanso. O casamento de Aixa, a filha mais velha, está a chegar.

Yassin coça a cabeça, abana-a e, instintivamente puxa os bolsos da sua túnica, vira-os e revira-os. Vazios. Sempre. Por mais que labute estão sempre nus como o deserto. A família consome-o. Este ano é particularmente difícil. As despesas acrescidas pelo casamento que se avizinha, obrigaram-no a vender mais ovelhas. O seu rebanho diminuíra a olhos vistos. As tamareiras, graças a Alá produziram bem, e até deitou mão das rosas que vestem o vale, indo até Erfoud fazer negócio. Mais um tostão, isto é mais dirhams que conseguiu pôr na caixa de metal. Está mais de meia. Espera que chegue. Mas depois da festa, o Inverno ia ser muito duro. Tem que gastar muita moeda, mas não vai ficar mal. Tem que comprar o traje, a prata, a comida para a boda. E ainda o dote. Pai que tem filhas tem sempre esse peso. Mas Aixa merece. Boa rapariga, a sua filha. Doce e trabalhadora. O noivo, primo direito, como manda a tradição leva um tesouro. As tradições são para se cumprir. O rapaz vive em Rabat, não está lá muito contente com o casamento. É macho estudado. Yassin sabe que o futuro genro -sobrinho não vai lá muito incendiado para o casamento. É filho da sua irmã Razhi que vive em Rabat. O marido é comerciante de peles. Vivem bem. A irmã só teve dois rapazes. Nunca percebeu porquê. Alá na sua infinita sabedoria saberá a razão. Mas a sabedoria de Alá estendeu-se à sua Naima que soube mexer os cordelinhos nesta próxima aliança familiar. A Casa será mantida. A sua autoridade e decisão de pai serão cumpridas. A família descansa na sua tradição. Assim será até ao fim dos tempos.

Encontra-se no vale, quase perto do pequeno oásis de Fuguig. Este pequeno recanto, a oeste das montanhas, é o paraíso dos seus olhos, a delícia do seu espírito. É ali, que no Inverno faz o cultivo das suas terras. É ali que esgravata a terra que o alimenta. O verde exuberante enche-lhe sempre a alma conquanto o amarelo árido circundante lhe seca o espírito. Ali crescem a oliveira, o sobreiro, o argão e o lentisco. A palmeira é a rainha. Que bom é, quando o sol se põe, e se senta respirando a brisa que vem embalada pelas suas folhas. Depois é altura da isha a última oração do dia. É ali mesmo que a faz, em profunda comunhão com a terra, esta terra que ama e o viu nascer, que frutifica sempre que a semente do amor lhe é lançada.

Senta-se, respira fundo. Puxa do odre e bebe umas gotas. Um balido e um bafo morno no pescoço fá-lo virar. Duas ovelhas enroscadas na areia descansam sob a luz violenta que já beija o dia. De cócoras Yassin observa-as. E começa o seu assobiar dolente que aprendera com o avô. Deixa as mãos pendentes num descanso de séculos. Uma cabra pequenina negra e peluda coloca-se de permeio e suavemente lambe-lhe o rosto soltando um balido meigo. Yassin sorri dizendo: "Chuaiê, Chuaiêe num gesto de homem puro enterra o rosto no pelo do animal aspirando-lhe a sobrevivência dos pobres.

Depois, depois, Yassin inclina-se, os joelhos sentem o respirar da vida na terra morna, seca e esgravatada de vento. Ergue as mãos, dobra o tronco, recolhe a alma. Ora.

Chuaiê-.devagar.


.Al Baladi - Mario Kirlis
Posted by Picasa

8 comentários:

Vivian disse...

...que maravilha de conto!

um poema de sensibilidade, diria.


Yassin não tinha posses, mas tinha o melhor de todos os bens..o amor e gratidão dos animaizinhos pastoreados...

comovida, deixo bjs

Mar Arável disse...

uma bela narrativa de um tempo

parado com um Yassim

que vivia de silêncios e animais

Ainda hoje existem Yassim

à espera que os libertem.

Nilson Barcelli disse...

Gostei deste teu conto. A narrativa flui ao ritmo da excelência. Parabéns, a tua escrita é madura, de escritora feita.
Beijinhos.

O Puma disse...

Nas cidades também existem desertos que não respiram

Gasolina disse...

Vou repetir-me: Mais um bocado de excelência.

Tantos retalhos do mundo nos tens brindado, Mateso. É mesmo uma riqueza poder ler-te.

Uma tamara fresca por cada parágrafo

Um beijo de quem te admira.

gabriela rocha martins disse...

de regresso ao mundo "real" absorvo ,palavra por palavra ,o teu conto e saio

maravilhada

relembrando algumas passagens

Erfoud [ única ]

o deserto

o Sahara



e saio
deixando.te




.
um beijo

claras manhãs disse...

Sempre que aqui venho, Mateso, fico tão encantada com a tua escrita e a tua fantástica imagética.
Os silêncios serão talvez dos mais importantes condimentos de uma vida.

Beijinho

gabriela rocha martins disse...

regresso ao teu conto

como se a necessidade de te reler
me trouxesse

o deserto
Marrocos
Erfoud
Yassin

um mundo em estado de perfeição absoluta

[ pura utopia .todavia necessária para ir mais além ]

assim te re leio
e volto
em ascese


.
um beijo