Quem sou eu

Minha foto
Alguém que ama a vida e odeia as injustiças

26 junho, 2008

[64960_49.jpg]

A Catedral


No silêncio da catedral ecoam passos soltos e breves de alguém. O interlúdio do dia adeja por entre a rosácea de miríades lampejos. Feixes rosados, azulados e oiro puro cruzam as paredes. Há paz. A figura genuflecte mesmo junto ao altar em prece ardente. Corpo arquejado ergue as mãos em triângulo de oração. O frémito percorre-a dando sobressalto à figura. Inclina-se mais e mais, esconde o rosto em profundo recolhimento. Assim fica por momentos. A prece termina, alheia ergue o rosto, onde vibrátil uma gota de água rola. Outra e mais outra. Assim leves, simples e puras, as lágrimas escorrem das mãos para o braço deslizando pelo cotovelo direito assente sobre o genuflexório. Sacode-o imperceptivelmente. Um murmúrio solta-se dos seus lábios fazendo emergir um suspiro de paz interior, seguido de um brilho de crença no olhar. Levanta-se, benze-se e lentamente desce o trifório central onde no alto as ogivas entrecruzadas sopram hinos altaneiros. Já no exterior, protege os olhos desse sol casado em céu azul. Avança uns passos, ergue o rosto. Olha a pedra rendilhada, que se ergue dos contrafortes e arcobotantes, ali mesmo ao lado. Pedra cantada de mãos ásperas. Afagos de arte esculpidos em preces de cal humana. No beiral nascente, povoando o algeroz, três gárgulas, hediondas mas majestosas, feias e retorcidas abrem as bocas despidas de raízes de ser. Nos rostos disformes, a quem a pedra tingiu ainda de mais negro, e o artista prodigalizou a loucura em pupilas vazias, perpassa o lodo fétido do sentir errado do mundo que se enxagua sempre que o céu se tinge e quebranta.

Mais acima, lá quase no alto, o pináculo nascente vasculha a imortalidade dos dias na quimérica fé da bem-aventurança. A figura suspira albergando no peito a esperança da sua fé. A catedral jaz imutável no bem e no mal, na sua fidúcia de porvir. O método da alma mora ali.






MUSICA SACRA.













Texto publicado no jogo das doze palavras.
Posted by Picasa

4 comentários:

Huckleberry Friend disse...

Belíssimo texto... identifiquei-me com sensações que tenho dentro dos grandes templos. Ateu que sou, deixo-me ficar em contemplação, maravilhado. Não acreditar em Deus não é o mesmo que não ter vida espiritual, pois não? Beijinho.

Benó disse...

Nunca é demais dar os parabéns a quem merece.
Aceita-os de mim pelo belo texto.
Um bom fim de semana.
Um abraço e
Sê Feliz!

Maria P. disse...

E que belíssimo texto!

Beijinho*

gabriela rocha martins disse...

como se tu necessitasses de jogos para bem escrever................


um bom início de semana

e

.
um beijo