Quem sou eu

Minha foto
Alguém que ama a vida e odeia as injustiças

27 março, 2007


Ontem, corri para o mundo...
Hoje, vejo o mundo correr...


Um certo nariz…de Pinóquio

Nariz há muitos…uns afilados, outros aduncos, arrebitados, gregos, direitos, poucos correctos e muitos que crescem como o … do Pinóquio.

Assim o mundo nasal de formas e tamanhos variadas é o apêndice marcante de alguns rostos quer em termos de beleza, expressão ou simplesmente, correcção.

Vejamos, o bom e velho Pinóquio, feito de madeira, saíra das mãos de um artista que o concebera magnificamente mas apenas com um pequeno óbice, o nariz, que não só era demasiado comprido como ainda, pasme-se, ironia do destino, crescia sempre que o Pinóquio mentia.

E o conto continua, crescia, crescia, mas o menino expiava as suas diatribes e o apêndice retomava o seu tamanho. O bom do menino prometia sempre emendar-se mas as tentações ultrapassavam-no.

Ora personagens infantis abundam não só no nosso imaginário mas também no nosso quotidiano, umas vezes temos o Lobo Mau, outras o Capuchinho Vermelho, outras o Rei Leão, o Capitão Nemo e finalmente o nosso velho Pinóquio que continua deliciosamente mentiroso.

Somos crianças por muitos e longos anos e assim aceitamos facilmente os nossos heróis e até quase os amamos. A não ser que os marotos comecem a enganar-nos continuamente e não mostrem sinais de arrependimento.

N a estória que leio vivendo, o personagem que sobressai é o Pinóquio. O azougado do boneco, não é que, não pára de mentir e ,não há maneira de admitir o seu erro, apesar do crescimento contínuo do seu apêndice. Mas não revela qualquer remorso, o magano. Ai, que os nossos heróis também já não são o que eram. O rebelde, não para de nos mentir e não se emenda, não querem lá ver.

Mente de perfil e o nariz torna-se algo semelhante a um cachimbo de retorta, mente de frente e as narinas sobretudo a esquerda palpita em espirro, mente sorrindo, tentando que a proeminência se dilua, mas o caso não resulta. Um apêndice revolto, diria eu. Um apêndice que não se coaduna com a falta de rigor.

Pois o Pinóquio do meu conto, um dia vai acordar de nariz tão esticado que não poderá alterar mais a verdade e, aí, meus amiguinhos, o meu Pinóquio tornar-se-á num bom menino, porque já passou o tempo dele, na estória, digo eu.


.

Um comentário:

Cristina Nobre Soares disse...

Delicioso, o teu pinóquio...