Quem sou eu

Minha foto
Alguém que ama a vida e odeia as injustiças

04 julho, 2010

Alice



Alice

Alice crua de sonhos vagueia na rua dos sentidos. Percorre-a sem olhar. Sente. Sente apenas. Sente o enrolar das tripas. Sente o fardo das pernas. Sente o suor gotejante. Sente o bafo quente da tarde a enrolar-lhe os sentidos. E o suor que a empapa e, o trago amargo da fome a vomitar-lhe a boca. E a tarde a secar.

A rua, a casa. Traves e tijolos, pó e calçada. Tudo gira. Uma neblina tolda-lhe os olhos. Esfrega-os. O suor teima em cair. As costas das mãos estão molhadas. Passa-as pelos lábios. Sabem a sal. Tem sede.

A língua, a ponta humedece os lábios secos tal como a boca. Só o corpo está húmido. Húmido e melado. Respira com força. Mais um passo aqui, ali, em frente, em frente. O caminho de sempre.

O ar escoa-se por entre as varandas vestidas de roupa. Há sons que se diluem no vento morno. São vagos. Cheiram a dor. Sabem a amargo. Os sons desnudaram-se. A tristeza vestiu-se.

O tempo parou na calçada crua. Alice caminha. Detém-se na porta semi-aberta. Empurra-a. A escuridão de bafo quente envolve-a. Uma voz perdida pergunta:

-Quem é?

-Sou eu, a Alice.

-Estava à tua espera.

-Eu sei, eu vim. Sem nada, mas vim.

-Ah! Para quê, então?

-Trouxe-lhe uma côdea do ontem.

-Ah!


..
Posted by Picasa

4 comentários:

tiaselma.com disse...

Um novo estilo de escrita... Tão fantástico quanto sempre.

Beijocas!

Mar Arável disse...

Vale a pena esperar

Valeu Alice

Bj

Vieira Calado disse...

O nosso pão

pão duro

de cada dia...

Saudações poéticas

alice disse...

mas para a próxima procurarei trazer-lhe um "amanhã" bem fresquinho :) beijinhos.