Quem sou eu

Minha foto
Alguém que ama a vida e odeia as injustiças

24 maio, 2010

Maio

http://3.bp.blogspot.com/_RKIlUUX_Tqg/S_ryNmRgwcI/AAAAAAAADuM/s6nhq-4ibUo/s1600/576974_76.jpg


Maio

Senta-se diante da tília que se agita suavemente na noite doce de Maio. No ar vibra aquele odor suave das rosas a desenrolarem-se em saias novas. Maio. Um suspiro.

João velho respira o Maio novo. Tremor e brisa. João e Maio. Gente e Tempo. João respira devagar deglutindo o ar doce que a Tília lhe oferece. Sorri fechando os olhos já cansados. O tempo desprende-se. A Tília envolve-o no seu odor. João deixa-se embalar. Suave, suavemente. Chamam-no. É o tempo. O seu que terminou. O de Maio que vibra. João entreabre os lábios e engole o perfume. Olha em frente, para além da Tília, na curva do tempo onde o mundo nasce de um lado, e morre do outro. É ali que tudo acaba. Sem alarde, embrulhado na doçura de Maio, João parte. Assim serenamente.

Alguém que passou reparou numa tília que chorava ao lado de um velho que olhava sem ver.

Achou estranho mas não parou.

Amanhã era Junho.


..
Posted by Picasa

6 comentários:

Mar Arável disse...

Nesta sociedade onde a economia tomou conta do poder político

a indiferença é um sintoma
de abandono à vida

Belo texto

tiaselma.com disse...

"Achou estranho mas não parou."
Definição do cotidiano.

Confesso que sentia falta dos seus textos, Mateso querida.
Bom que você ouviu meus soluços. E trouxe doçura a meu fim de maio...

alice disse...

gostei muito da tília a chorar ao lado do velho. também olhei sem ver... um beijinho.

Rosa Brava disse...

"..Alguém que passou reparou numa tília que chorava ao lado de um velho que olhava sem ver.

Achou estranho mas não parou."


O sentimento de indiferença que tantos têm...

Adorei o teu texto. Tinha saudades de te ler.

Beijo e continuação de boa semana.

Clube dos Poetas Vivos disse...

Espero que não te importes que tenha levado "emprestado" este belo e sensível texto para o CPV.
Algum problema e será de imediato retirado.
A entrada é livre, basta seguir o endereço.

Um abraço

Nilson Barcelli disse...

Já pouca gente sabe olhar à sua volta. O achar estranho já nem é mau...
Excelente texto. GosBom fim-de-semana.
Beijo.tei imenso.