Quem sou eu

Minha foto
Alguém que ama a vida e odeia as injustiças

01 janeiro, 2009

PAI

Lembro-me de me dares a mão, eu pequenina na tua mão grande. Lembro-me da tua figura esguia e elegante que me passeava no parque. Lembro-me de ti vergado ao peso do teu disparate. Corriam-te as lágrimas. Lembro-me de não perceber o porquê das coisas, do momento. Lembro-me de ti sentado no sofá vermelho ouvindo a tua música. Lembro-me de ti gesticulando na onda da discussão. Vermelho, febril, peremptório. Lembro-me de ti em flashes A tua vida, a nossa vida.
Pai,
Escrevo-te porque não posso dizer-te, suspiro as palavras porque já não as posso dirigir. Neste vai e vem de sílabas não ditas, arrecadadas, sentidas, fica o tempo. Esse tempo que me cobriu de saudade e de dor fina. Aquele esguicho que corrói de mansinho, mareja os olhos e purga a alma. Aquele retrato que perpassa na moldura dos dias, cujas portadas batem sincopadas nas paredes dos sentidos. Não, não é a imagem, a sépia, que se depara ante os meus olhos, é o teu rosto móvel, sentido, a alma de ti que eu amei e recordo. Essa força, qual mola vinda das entranhas, que te fazia ora conversador apaixonado ora ensimesmado e dorido, a gema áspera da vida que te feriu e te moldou assim mesmo. No encanto de um momento, ou no espasmo gutural de um sentir. Não foste sépia, para ti escolho as cores vivas de um Matisse e as pinceladas febris de um Van Gogh, visto-te de Renoir e oiço-te em dias felizes na paleta de um Turner e nos outros sombrios e duros de Lautrec.
Pai.
Um ano, um tempo, um sentir, uma mágoa.
Na gaiola aberta do tempo roçam os sentires que tantas vezes ficaram por mostrar. Treme o corpo, humedece o rosto, e dentro, bem dentro, junto à alma fica a dor, aquela dor triste por se ter perdido o tempo de mostrar o sentir. Porque partiste, e porque o pudor dos afectos se esvaiu, agora, consigo dizer-te as palavras que não ousei e calei.
Amo-te, Pai.
Um ano, um tempo.

Partiste Pai.

Disseste um dia, ao ler as minhas palavras, que quando se escrevem têm que ser sentidas. Pai. Sinto. Sinto a tua falta. Escrevo-as e recordo-te. Assim, simplesmente nos dias bons, e nos menos bons. Como todos nós. Não foste Deus nem Diabo. Foste Humano. Foste Homem. Foste o meu Pai.
Não sei onde estás.
Acredito, porque me ensinaste a Acreditar.
Acredito porque existo, porque sou pedaço de carne e alma vinda de ti, porque sou repositório de sonhos e esperanças falhadas ou concretizadas. Porque sou um dos teus ramos. Talvez o mais descarnado. Aquele que se vergou mais ao tempo e à vida. O ramo primeiro. Aquele ramo, a quem tu ensinaste a olhar para além da forma. Usavas palavras simples mas que temperavam a minha imaginação. Não, não eram o sal do mundo. Não, eram palavras para uma criança, para mim. Memória macia da minha infância. Segredos passados no côncavo de uma mão pequenina dentro de outra mão. A tua, Pai.
Não sei precisar no verbo o tom rebuscado do sentir, porque sou tão simplesmente filha. Não sei, apenas ouso relembrar-te tal como te sinto, Pai. Não burilo na dor contornos vivos, não sei amar assim. Não possuo o arroubo da paixão nem o descrédito do desamor. Só sei que me faltas, sei que os meus dias são incompletos, sei que no cinzento das tardes estás presente, sei também que em cada alba te lembro, que o hoje não é igual ao ontem, e que o amanhã será diferente. Sei que, nas minhas mãos agora vazias pingam as palavras nunca ditas. Sei que a pátina veste o tempo, mas que a tela bordada de memórias vivas é intemporal. A tela que me deixaste é a mais doce obra de arte. Chama-se “Vida”. Coloquei-a naquele quarto onde a janela se abre para o mundo, perto das paredes da alma.
Pai.
Obrigada.







The Flower Duet - All Angels

23 comentários:

Paula Raposo disse...

Muito bem escrito e comovente até às lágrimas...uma carta de amor. Muitos beijos para ti.

Selma disse...

Lindo, lindo, lindo! Que filha fantástica és por homenageá-lo assim; que pai foi ele por ter te deixado tão emocionadas (e emocionantes!) lembranças...

BEIJOS!

Selma Barcellos

CNS disse...

Tão belo... Cores irretocáveis, estas, com que pintas a memória. De um pai. O nosso.


Obrigada.
Um beijo.

Cristina

ines disse...

"Foste o meu Pai"!. Três anos, três tempos e ainda te procuro todos os dias...

B&A

Madalena disse...

Também tive um pai. Foi-se num inverno. Terá ido?

Sinto-o tão cá dentro que me parece ainda ouvir-lhe a voz, os passos, sentir-lhe o colo (adulta quase, invadia-lhe os joelhos a relembrar infâncias).

Obrigada pela beleza, esse Amor e a partilha toda.

Beijo.

madalena

Arion disse...

Deixo-te um beijinho... Até já

vida de vidro disse...

Belo e comovente. Puseste-me lágrimas nos olhos. Perdi o meu pai há 17 anos e como te entendo... Beijo.

Maria P. disse...

Que palavras sentidas...

Beijinho*

Gasolina disse...

Naquele tempo só te abracei. Porque sabía, porque sei.

Por isso, hoje, não falarei.

Abraço-te.

gabriela rocha martins disse...

um dia ,abrirás a janela da "VIDA" e verás que há alguém que dela nunca se ausentou - o PAI

partido ,chegado ,amado ,presente mesmo ausente



deixo.te
[em certeza]



.
um beijo

O Puma disse...

Permita-me fazer minhas as suas palavras- aceite um beijo

Nós não deixamos morrer os nossos
mortos

Mar Arável disse...

Estou consigo minha amiga

também aqui

no meu mar

Bjs

as velas ardem ate ao fim disse...

Abraço apertadinho

Miosotis disse...

... estou certa que teu Pai 'leu' tuas palavras e 'sorriu' com muita ternura!

Tenho crenças diferentes das tuas...

Este Natal comprei uma pequenino livro muito sensível [nada está provado, mas fazem-se estudos sérios sobre o tema]!
Chama-se 'As Cinco Pessoas que encontramos no Céu'...é um livro comovente!

Um tema que me toca profundamente pelas 'ausências' já sofridas...

Um beijo afectuoso

... pelo olhar deixado em 'fragmentos', sensibilizada!

addiragram disse...

Ele ouviu-te, de certeza!

Um grande abraço!

M. disse...

O nó nos dedos é o meu medo. do dia em que há-de chegar a minha vez de o escrever. Tanto medo que tenho Mateso.. Por muito que acredite.

Beijo.

C Valente disse...

Muito bem
Saudações amigas

Teresa Durães disse...

a perda é sempre dolorosa

Nilson Barcelli disse...

Comoveste-me com o teu texto.
Pungente e belo.
Beijo.

Laura disse...

Lindo. Obrigada por escreveres um pouco de tudo aquilo que muitos de nós pensam...

Menina_marota disse...

Não sabes como me tocou esta tua carta. Tal como tu, perdi o meu Pai, parece-me que foi ontem que ainda sentia a sua mão no meu braço a apertar-me, a sua voz reconfortante, o seu sorriso.

Ele está vivo para mim, no meu coração e sei que esteja onde estiver está a olhar por mim.


Um abraço carinhoso

borrowingme disse...

adorei...
eu sou uma menina do papá, mas com um oceano que nos separa e apenas encolhe aos fins de semana e nas escassas viagens... houve frases que li de lágrima no canto do olho.
bjs e até já
bom ano!!! ainda vou a tempo certo?

C Valente disse...

Saudações amigas