Quem sou eu

Minha foto
Alguém que ama a vida e odeia as injustiças

26 outubro, 2007

AVerdade

Eu sou assim Eu… eu sou…Ik ben zo I… I ik ben…

-Johann, - De liefde van I u

- I ook, Joost.

Deixa descair os braços do amplexo que abrigava Joost. Olha-o, e sente o chão fugir-lhe, sente que o mundo parou, sente que chegou finalmente à sua porta. Afasta-se levemente, olhando para dentro de si, para as suas entranhas, para a sua alma. Tem que o fazer antes de entrar, o passo tem que ser dado firme e largo. Suspira e cruza-a. A entrada é nebulosa, esparsa, há calma dentro de si, uma espécie de força interior que nunca julgou possuir, e também sente doçura, o que é esquisito. Afonso João, trinta e oito anos, não é belo, não é forte, não é alto, não é personagem de romance. É apenas mais uma figura sentada, num banco de um bar demasiado barulhento, onde as pessoas se perdem no néon das cores vivas, e os esgares dão conta do mundo escondido da noite. É homem, em descoberta, junto da sua revelação que dá pelo nome de Joost. Ainda há bem pouco, era igual, sabendo que algures era diferente, agora, e neste momento, é diferente, sendo igual à sua verdade. O som do bar rebenta-lhe no peito revolto de ruídos de certeza. Olha a mesa, os copos de whiskey bebidos, embaciados de gelo e de mãos suadas. O ar viciado de cinzento de fumo, o cheiro adocicado da cannabis que invade as narinas e amacia devagar devagarinho a mente tornando os sentidos extáticos. Sente rodopiar em si a verdade. Precisa de sair, de apanhar ar, de tragar a verdade, de aquilatar a condição, de assumir a escolha. Simplesmente, ama Joost, o homem.

Cá fora o ar da noite de Amesterdão envolve-o na sua humidade cuspida de chuva. É a nortada trazida pelo Atlântico, ergue a gola do casaco e suspira. Toma alento, endireitando-se olhando-o, Joost devolve-lho, em azul, mudo de aguado, luzidio de promessa e calmo de feliz. Caminham lado a lado, ao longo do Amstel que marulha sob os cascos dos barcos cantando dolentes nos seus rangido presos. Descem Prisengracht, não falam, não precisam. O silêncio comunga-lhes o sentir, a aceitação deixa-os humedecidos, perdidos em pensamentos. São ambos colegas, amigos, casados e pais. O mundo gira-lhe nos pés, na alma, e na razão. Não, aí não gira, dói como corte de bisturi, separando-lhe o ser em carnes latentes de vida, de veias pulsantes e de músculos. O cérebro pulsa, lateja e cospe-lhe a verdade que sempre sentiu e que não assumiu. É diferente no quadro vigente do normal, todavia simplesmente ama, mas ama um homem. Lembra-se dos seus tempos de adolescente e como se sentia diferente, lembra-se do tempo de namoro, do casamento, dos filhos, do encontro com Joost, do querer e não querer, da voz, dos silêncios, das angústias, de tudo. Chega! Acabou! A revelação está aí!

No relicário das memórias, Afonso João recorda a infância junto da mãe e dos irmãos. Do pai, vagamente, pois morrera de acidente, ainda era ele muito pequeno. Não tivera sobressaltos, apenas serenidade mas sempre acompanhada de um estremecer de alma, de uma sensibilidade vibrante e de um amor ao próximo extremoso. Sempre acudira aos tristes e doentes. Estava-lhe no sangue, daí a escolha, ser médico. Já na Faculdade conhecera Ana, também ela estudante de medicina .Fora uma atracção de expectativas, de sonhos e dádivas .Conheceram um pouco do mundo ,e das suas dores ao fazerem voluntariado em S. Tomé. A malária, a disenteria, o dengue, a sida, tinham-lhes mostrado a precariedade do ser humano, unindo-os num casamento de dádivas. Ana era a sua companheira, o outro lado do seu intelecto, a lutadora serena, o pilar da estrutura familiar. Descansava nela demitindo-se das escolhas, das labutas exteriores. Detestava os pequenos nadas da vidinha de todos os dias, quase cinzenta de repetida. Nunca sentira êxtase, nem acrisolamento. Tudo fluíra como se fosse um simples rio de águas ,ora pardacentas ora de um brilho breve. Sabia que era insatisfeito, sabia-o ,quando acordava de manhã ao lado da sua Ana. Sabia-o, quando a tomava para si e se amavam, sentia que era um acto, não havia fulgor, nem brilho. Simplesmente ternura, muita ternura. Carolina e Afonso tinha chegado. Hoje eram quase adolescentes. Uma guilhotinada invade-lhe o corpo, como lhes vai dizer? Como? Ele não pode adiar. Não pode, não vai. Chegou à foz do seu rio, a entrada no mar tem que ser livre, livre! Tem que chegar a casa, tem que cruzar rápido aquelas águas paradas, aquele suave entorpecimento que tem sido a sua existência. Soube hoje, o que era sentir o redemoinho, a vibração, o poder dilatado em espasmos de prazer. Soube a sua verdade, toda e não quer perdê-la. Já foram tantos os anos dormidos. Tantos enganos feitos verdades. É tempo de si. É tempo de amar a vida, de amar Joost, de se amar. Para trás fica o que não perdeu, mas também não achou, um cinzento erguido vida, amedrontado de vontade e dormido de si. Poucas vezes sentira o riso brotar-lhe nas veias vermelhas de sangue quente e pulsante, poucas ou nenhumas sentira o ímpeto do riso catapultado das suas entranhas. Vivera, porque respirara ,mas a anestesia do sentir não lhe tinha permitido, até então, dilatar as narinas, e aspirar o hálito do mundo em tempo de escolha, e de revelação, era altura de partir correntes ,moldando novos elos. Estivera preso, olhando sempre a liberdade do outro lado, porém ,o tempo chegara , a chave girara e a porta se abrira. O corredor era ulcerado de comentários, hemorrágico de desdéns e aleivado de escaras, porém era a sua artéria sistémica de saída.

Despede-se de Joost e caminha até Statenjachststraat. Ana esteve de banco esta noite, certamente que estará a sair, à sua frente surge-lhe o Academisch Medisch Centrum onde há quase dez anos ambos trabalham. As suas especialidades são diferentes mas as dúvidas, e angústias são semelhantes. Tinham chegado com bolsas e agora faziam parte do corpo clínico. Era gratificante e apelativo o trabalho desenvolvido. Sentia-se realizado como médico quer em termos científicos quer humanos. A escolha fora boa.

Assim ,divagando ,não se apercebeu da figura que calmamente se colocou a seu lado. E em bicos de pés se ergueu e o beijou na face.

-Viva, boa noite!

-Olá, Ana.

Deu-lhe o braço e dirigiram-se para o outro lado. Perto havia um barzito que tantas vezes os acolhera. Já sentados e casacos tirados, pernas cruzadas em cadeiras macias de encosto cómodo, segurando copos de Amstel Bier, olham-se. Ana poisa o copo perlado de gotículas e diz-lhe:

-Desabafa Afonso João. Vá lá…foi para isso que vieste, não foi?

Olha-a, Figura gentil de rosto suave, olhos cinzentos grandes, perscrutadores plenos de centelhas de inteligência, boca túrgida, cabelos loiros, fartos, penteados simplesmente para trás, escapam-se ao movimento do pescoço, acompanham o bater dos cílios. Veste uma saia de lã justa e uma camisola do mesmo tom . As pernas, cartão-de-visita, cruzam-se elegantemente, revelando perfeição de linhas vestidas em meias de tom beringela transparente de acordo com o conjunto. Como sempre irrepreensível. É uma figurinha ,a mãe de seus filhos. Uma mulher muito interessante, bonita ,loquaz, inteligente e muito sensível. Uma criatura para ser amada e amar devotamente. Conhece-a bem. Engole em seco, olha-a ,e instintivamente põe a mãos na mesa como se precisasse de amparo. Ana aprisiona-lhe os dedos e mergulha o olhar de cílios longos naquele outro dorido de palavras. Pigarreia.

- Ana, tenho… algo muito sério para te dizer.

- Sim, Afonso, estou à espera… diz.

- Ana. Amo outra pessoa… eu…

Ela entreabre os lábios num sorriso, o olhar é cansado muito, dorido, como se finalmente a verdade, há tanto tempo esperada… as lágrimas humedecem-lhe o brilho do olhar, o rosto está amarrotado de dor.

- Afonso…creio saber. Espera… um soluço escapa-se-lhe da garanta, mas sorri…acrescenta olhando-o profundamente - É o Joost, não é?

Afonso responde sem voz em murmúrio: - Sim…

Olha-o uma e outra vez, abana a cabeça, recolhe as mãos, ergue-se lenta, lentamente como se aquele acto tivesse terminado e a plateia ansiasse pelo clamor. Já de pé recua, olha-o e atabalhoadamente pega no casaco e sai porta fora. Afonso fica sentado. Mudo, quedo, partido. Depois, depois sai. Cá fora, a noite prende-o de novo mas não de forma leve, a raiva propala-se da mente para o corpo, engalfinha os dedos, e desfere dois valentíssimos murros na parede do bar, bate com a testa, e urra, sim urra guturalmente. Todo o seu ser é agonia e raiva. A sua condição revela-se-lhe pústula aberta no pulsar do seu ser. Desesperado no sentir magoado de Ana. Não, ela não!

Caem-lhe abundantes lágrimas que se aquecem na gola de lã. As mãos cobrem tensas a cabeça como se suplicassem a resposta. A noite gira no amarelo da lua. Amanhece. O negro é cinzento e depois azul desmaiado. É dia. Um outro dia de muitos que chegarão.

Joost entra na sala. Olham-se e dão as mãos.












25 comentários:

Mar Arável disse...

Como sempre bem escrito

Uma realidade ficcionada

Também o sabor das palavras

Vertigo disse...

Impressionante,a maneira como tu (d)escreves os sentimentos,a vida como ela é..feita de contratempos inesperados,que entram por nós a dentro...e depois as dolorosas decisões,que têm que vir resolver a nossa felicidade,que deve sempre prevalecer...

Um beijo

Maria P. disse...

Magnífico como sempre!
Um Inverno de chega, por um lado, e uma Primavera pronta a florir por outro...
Excelente, parabéns e obrigada!

Beijinho*

gabriela r martins disse...

um trecho musical primorosamente escolhido para introduzir um conto que pode ser e ,em alguns casos é ,a história de alguns ....não são fáceis certas opções e não é fácil descrevê.las ao jeito de criar .mais um texto que se lê na expectativa do mais...

um beijo

Gi disse...

Mateso,

Depois de ler o teu texto pergunto-me quantos casamentos não passarão de ternuras, quantas verdades não andarão escondidas, quandos eu não serão espartilhados porque o outro não merece sofrer. Porque os outros não merecem sofrer com as "nossas" escolhas. Sobretudo quando somos os últimos as reconhecer as nossas verdades, como o João.
Um processo doloroso, esse da descoberta, da revelação, do assumir. Mas encontra-se ... a Ana perde-se , um golpe duro, não lhe queria estar na pele. Achava que a minha vida tinha sido um engano. Ou que tinha sido enganada toda a minha vida. Não há culpa nem culpados eu sei. Coisas de coração ninguém manda!

Conseguiste criar um ambiente muito tenso, talvez os uisques e os neons tenham ajudado. Fiquei com os sentidos à flor da pele.

É tão difícil falar de sentimentos. Tu consegues. Eu sinto-os.

Um beijo

Letras de Babel disse...

Vou-te confessar: tenho tanta leitura, deste blog, atrasada, que até tenho vergonha de dizer que passei mais uma vez por aqui e ainda não é desta que posso ficar.


Mas ler-te-ei, prometo.


Fica um beijo, agora
E até breve!

as velas ardem ate ao fim disse...

Imaginei me na estoria, dei as maos e sinto me tao bem.

bjinhos

C Valente disse...

Bela narrativa , aliás como sempre
Saudações amigas

Plum disse...

Muito bom!Não preciso dizer mais nada!***

un dress disse...

teatral muito.

dramático á flor da pele.

por isso vivo.

vivo como viva memória e como o

quotidiano...



obrigada pela partilha.

e de certo modo pela partida.


aBraÇo.beijO

Abssinto disse...

Oh, pensei que a Ana seria mais compreesiva...Talvez se tenha refeito depois das lágrimas secarem. Muito à tua maneira, este conto. Especial.

bj

addiragram disse...

Admiro esse difícil equilíbrio que consegues entre o uso de uma "objectividade" na narrativa a par de uma outra dimensão que consegue comunicar conflitos e emoções.

Anônimo disse...

não tenho. não sei de palavras.



apenas a admiração.


sincera.



abtaço.



/piano.

Miosotis disse...

Compreendo a dor de Ana! E compreendo a dor de Afonso ao magoar Ana... ela que sofre sem lhe restar qualquer tipo de esperança!

Amesterdão... tudo é possível! Como aqui, como em qualquer parte do mundo!

Uma belíssima história de amores e desencontros! Muito bem contada, muito bem escrita! Sinceros parabéns!

O tema de 'Rachmaninov' é uma tela muisical, profunda, angustiante como a problemática tratada!

Sensibilizada pelo olhar poisado em 'fragmentos'!

Bom feriado!
Um beijo

C Valente disse...

bom fim de semana
saudações amigas

CNS disse...

Com um atraso imperdoavel, é verdade... Mas não podia deixar o meu aplauso. Gosto do tema. Da forma como nos fazes debruçar sobre ele. No fim somos apenas pessoas...

um beijo

Mateso disse...

Mar Arável.
Grata pelas tuas palavras.


Vertigo.
Escuo, vejo e sinto. É simples.

Obrigada e beijinho

Mateso disse...

Maria P.
A vida nas suas estações.. umas vezes renasce outras morre... é assim.
Grata pelas tuas palavras.
Beijinho.


Gabriela Martins.
Eu sei que nem todos gostam. Eu sei ,que ainda é um tema não socialmente aceite, apenas murmurado. Mas eu sei ,também ,que é parte da vida de todos nós. Há que aceitar ou não. Eu , simplesmente contei uma estória.
Obrigada pela tua atenção e palavras.
Beijo

Mateso disse...

Gi.
Os sentires de todos nós.
A homosexualidade sempre existiu. Desde os primórdios até aos dias de hoje. São coisas do coração como dizes.
obrigada pela apreciação.
Beijos.

Mateso disse...

Letras de Babel.
Quando puderes, quiseres ou sentires que é altura.
Um beijo e grata pela visita.


As velas ardem até ao fim.
Ainda bem que te sentiste feliz.
Beijo

Mateso disse...

CValente.

Obrigada.
Beijo


Plum.
sensibilizada.
Beijo

Mateso disse...

Un- dress.
As relações humanas por vezes também são dramáticas... e tanto
Grata pelas tuas palavras.
Um beijo.


Abssinto.
Pois... acontece.
Beijinho.

Mateso disse...

Addiragram.

Grata pela tua apreciação. Sinceramentew. É sempre um prazer ouvir uma análise.
Beijo.

Mateso disse...

anónimo.

Sensibilizada por tuas palavras.

Todavia é apenas um pequeno conto.
Beijo


Miosótis.

Fico contente por teres gostado. Obrigada pelas tuas palavras.
Beijo.

Mateso disse...

CValente
Obrigada e o mesmo para este que se avizinha.
Beijo.

CNS
Mais atrasada estou eu a agradecer-te e mais pela tua disponibilidade.
Um obrigada, pois.
Beijoca.