Quem sou eu

Minha foto
Alguém que ama a vida e odeia as injustiças

31 agosto, 2007

St. Exupéry...


.
.

Não confundas o amor com o delírio da posse, que acarreta os piores sofrimentos. Porque, contrariamente à opinião comum, o amor não faz sofrer. O instinto de propriedade, que é o contrário do amor, esse é que faz sofrer. (...) Eu sei assim reconhecer aquele que ama verdadeiramente: é que ele não pode ser prejudicado. O amor verdadeiro começa lá onde não se espera mais nada em troca.

(Antoine de Saint-Exupéry, in 'Cidadela')

12 comentários:

Teresa Duraes disse...

fui ver as fotografias. Lindas!! são tuas?

Mário Margaride disse...

Lindas! Esta imagens.

Como diz Saint-Exupéry:

"Não confundas o amor com o delírio da posse, que acarreta os piores sofrimentos. Porque, contrariamente à opinião comum, o amor não faz sofrer."

O amor, não faz sofrer. É pelo contrário, a festa mais nobre das emoções.

Bom fim de semana!

Beijinhos...

Jardineira aprendiz disse...

Sem dúvida!
Mas é tão difícil saber amar assim...
Lindas, as imagens!

Tiago disse...

Grande citação.

Passarei a leitor daqui :)


Tiago

nana disse...

OBRIGADA por esta lembrança.

Shelyak disse...

Sentimento de posse é um veneno tão grande...corroi, destroi...tudo...:(

Flávia Vida disse...

Meu Deus, como são lindas todas estas palavras ...

"(...) O amor verdadeiro começa lá onde não se espera mais nada em troca."

e como é duro ouví-las quando não sabemos bem ao certo o que é amar ...

beijinhos
:)

gasolina disse...

Pois é... tantas vezes se entende amor como propriedade!
E como Antoine é libertador!

Imagens lindas de arrepiar.

Um beijinho, Mateso Azul

~pi disse...

sabemos. e aqui recordamos.

/ tão especial...tão difícil esse amor...- se verdadeiro é...




beijO

un dress disse...

será isso possível para nós?

culturalmente possível...

psiquicamente possível?


parece tão... tanto...!!



beijO

Calimera disse...

As imagens fantásticas
A mensagem profunda.
Não sei mais que dizer. Está tudo aqui.
Bj

Abssinto disse...

Profundamente de um belo profundo. E puro. Sempre pensei que o Saint Exupery tinha aterrado no planeta do principezinho, mas neste mundo frio, até o avião do homem tinham que detectar. Não há lugar para o sonho, não.