Quem sou eu

Minha foto
Alguém que ama a vida e odeia as injustiças

24 julho, 2007

O Rapper….



Bamboleante e esquivo. Tez morena mate. Olhar líquido e oblíquo. Corpo demasiado franzino e comprido. Dançante.

Ginga no corredor por entre os outros miúdos. Aquele ar, destaca-o dos demais. Chama-se Luís. Tem catorze anos. Dizem ser um caso. Ele é um caso. Luís, o Rapper , o nome de guerra.

Não sorri. Não precisa, os olhos são carvões incandescentes. Dizem tudo. O bom e o mau. A boca é fina. Apenas um traço. Duro, despido. Mas é assim. Saem-lhe amiúde palavras amargas, azedadas no coalhar do dia-a-dia.

O Luís… cadete do rap, bufão de revolta circunda as atenções à sua volta.

Ei-lo que chega, gingão, calças descaídas, t-shirt bem larga, boné…oh, o boné …selo de um padrão. Uma trabalheira tirá-lo. Sente-se nu. Como se a composição da figura se quebrasse.

É esperto, vivo, mas manipulador. Habituou-se a ser ouvido. A ter alguém que o proteja.

Aqui pelo menos.

Em casa… bem, umas paredes despidas, uma falta de quase tudo. Pai? não tem. Mãe? Algures entre uma rotina da esfrega escadas e uma bote lha de tinto. Ficam os bons conselhos aquando da sobriedade.

E o Luís, sonha… quer ser rapper…o canto falado. E ele fala bem. Tem jeito, o rapaz. Sabe discursar, criticar, avaliar… Não suporta os betinhos, nem os riquinhos… mas é condescendente… coitados são tão queques, não sabem nada. Pobrezitos. Fala do alto da sua torre de catorze anos, já vividos.

É exímio em trocas, em " emprestanços" e devoluções. Leva a palma a todos. São os incautos, os mais velhos, os adultos, todos acabam por cair no conto… do Luís.

-Ah, stora, tem que se fazer pela vida… sabe, eu não tenho, não vou roubar, atão, faço trocas,peço emprestado, e...vou ganhando umas coisas.

Luís, Luís, fala cantando as penas do seu mundo. Cria casos na escola porque as regras não lhe assentam. O seu séquito, como todos os líderes, compõe-se de outros mais fracos, de alguns tolos e poucos que se atrevam a fazer-lhe frente. As colegas, bem é um capítulo… adoram-no, bebem-no e ele sabe-o e usa-as. É demasiado elaborado para elas. Só os olhos o denunciam.

Luís, rapaz do mundo… do nosso mundo.

-Luís, tu assim, ainda acabas mal, dizem-lhe.

-Eu? Não! Eu vou ser um grande Rapper,e vou falar de si na minha música, vai ver!

Será? Esperemos.


20 comentários:

Teresa Duraes disse...

espero que sim, que esse Luís sobreviva. Vamos os vendo por aí.

gostei da história

Arion disse...

Tens outro desafio no meu canto ;)

Entre linhas... disse...

Uma questão de sobrevivência e de persistência.
Muita força..
Bjs Zita

Contra-pontos disse...

Adorei a sinceridade dos temas.
Estava na "Un-dress" e vim aqui, e gostei.


bjs,


Jugioli

Yardbird disse...

Nunca se sabe. O destino está na nossa mão. Ou não?
Beijinho :-)

CNS disse...

Um retrato bem real... Esperemos pelo Luis, então...

gabriela r martins disse...

Um caso muito sério de bem escrever o deste Luís ,o rapper .se gostei!!!!

.
.
.

lavou.me a "alma"

.
.

e retiro.me consolada

.

um beijão ,miúda!!!!!

RB disse...

Texto fantástico. Também espero que sim. Muitas vezes a sociedaade não percebe a linguagem utilizada por estes miúdos e subvaloriza-os, atirando-os para a valeta da vida

Jefferson P. disse...

A "Guerra" racial e social chega ser inevitável... na cabeça de um ser de apenas catorze anos...

abrç

Flávia Vida disse...

como se fosse reportagem, voc� escreveu a verdade dos fatos...como sempre!
muito bom vaguear por aqui!!
beijocas
=**

gasolina disse...

Mais um quadro vivo, muitissimo bem pintado, espatulado.

Lindo, Azul Mateso.

un dress disse...

não li.vi...!


lindo...:)

Abssinto disse...

Torço pelo fedelho. Muito bem "pintado", m.

bj

Mateso disse...

Teresa Durães,
Certamente que sobreviverá. Faz parte do nosso quotidiano.
Bj.

Arion,
obrigada e já está respondido.
Bj.


Entre linhas,
Persistem e sobrevivem.. sabe Deus como, mas que o fazem, fazem.
Obrigada pela visita ao meu cantinho e pelo comentário.
Bj.

Contra-pontos,
Grata pela vista e pelas palavras.
Bj.

yardbird,
Pois.. por vezes, parece que não... mas são outros contos.
Grata pelo olhar ao meu cantinho azul..
Bj.

Mateso disse...

CNS,
Talvez quando menos esperarmos, ele, aí estará fazendo das suas...
Um bj.

Gabriela martins,
Fico feliz por teres gostado.
Sensibilizada.
Bj.

Mateso disse...

Rb,
Obrigada. Garotos, adolescentes como este, vivem lado a lado connosco... é só entender, como tu dizes, o linguajar deles...
Um beijo.

Mateso disse...

Jefferson P,
O brigada pelas palavras do outro lado do Atlântico. Os miúdos, por vezes não sabem o peso das palavras nem das cores e dái a "guerr" , mas olha, que não são só eles.
Um bj.

Flávia vida,
Também de longe.
Obrigada pela visita.
Um beijo.

blue disse...

nada sereno este retrato do rapper inquieto...

:)

Mateso disse...

Un-dress,
obrigada por "teres visto" .
Um beijo.

gasolina,
A técnica... depende da inspiração.. mas também gosto...
Obrigada pelas palavras.
Um bj.


Abssinto,
Deu para expor.Obrigada pela visita
a esta galeria.
Um beijo.

Mateso disse...

Blue,
É verdade... mas um rapper ..é o canto falado do conflicto..
Um bj.