Quem sou eu

Minha foto
Alguém que ama a vida e odeia as injustiças

09 julho, 2007

A matéria...


While Adam slept by Laverne Ross
.Grilhões...

Exangue, dobrado,violadoo Homem,
Pedaço de matéria em luta,
Traga o pó do mundo com raiva e dor e,
Jaz dobrado,
Porque a vida o quebrou em grilhões,
Porque a luz do desejo o cegou no porvir
Porque o coração o enganou no querer.
Jaz dobrado,
No esgar a terra e do vento,
Nas lágrimas quentes que não florescem
Esperanças perdidas.
Jaz dobrado,
Na insignificância de Ser ,
Na pequenez de Homem,
Jaz dobrado,
Aos grilhões do passado e
Aos elos do amanhã.
Dobra-se, mastiga e cospe,
A raiva do mundo, a dor da vida,
A ignorância do saber,a inveja do ter,
E a cupidez do seu irmão.
Afinal, o homem é apenas a matéria...






.

13 comentários:

CNS disse...

E quem quebra os grilhões que mantêm o homem preso ao passado?

vida de vidro disse...

Tanto mais matéria quanto mais se deixa dominar por sentimentos negativos. Bom poema. **

Plum disse...

É a essência que o completa, que lhe dá alma!*

Rebirth disse...

Some are born to move the world, to live their fantasies
But most of us just dream about the things we'd like to be
Sadder still to watch it die than never to have known it
For you, the blind who once could see, the bell tolls for thee...


Losing it,
Rush

un dress disse...

... e matéria em transição...

Mateso disse...

CNS,
Os grilhões ...não se quebram, arrastam-se...fazem parte de nós.
Obrigada pelas palavras.
Bj.

Vida de vidro,
Sensibilizada pelas palavras.
A matéria é corrupta e corruptível... somos nós, afinal.
Bj.

Plum,
A essência, pressuposto do bem... existe, mas nem sempre está...
Obrigada.
Bj.

Rebirth,
I do thank you .
Still words aren't but mere thoughts trying to shape inner feelings...and drawing new dreams and hopes for a better and nicer world hand in hand with a "rebirthed"humankind.

Un-dress,

O transitório ...o inexplicável, explicado em mil tons vagos...somos nós.
Obrigada.

Cris disse...

Tanta coisa, raiva, amor, ódio, cinismo, sentires vários e no fim apenas e somente matéria! somos nada e queremos ser tudo, quando bastava que fossemos apenas pessoas.

Gostei. Beijinho
Cris

Rebirth disse...

O que escrevi é parte da letra de uma canção que um grupo canadiano (Rush) dedicou a Hemingway.
Hemingway escreveu uma obra intitulada "For whom the bells toll"; este título fazia referência a um poema do século 17 de John Donne, que dizia - Any man's death diminishes me, because I am involved in Mankinde; And therefore never send to know for whom the bell tolls; it tolls for thee.

...pensei que talvez se aplicasse de igual forma aos grilhões que castigam o homem de quem falas...

Terno abraço...

Mateso disse...

Cris,
Obrigada pelas tuas palavras . Encerram tanta verdade....
Um bj.


Rebirth,
Eu não conhecia a letra da canção. Porque não aplicá-la?
"For whom the bells toll"de Hemingway.
Sim. John Donne,começa assim....Nenhum homem é uma ilha isolada; cada homem é uma partícula do continente, uma parte da terra: se um torrão é arrastado para o mar, a Europa fica diminuída, como se fose um promontório, como se fosse a casa os teus amigos ou a tua própria... seguem-se as palavras que transcreveste.
Lindo....Obrigada por me teres recordado... mesmo.
Bj.

as velas ardem ate ao fim disse...

E reduz se no seu final a pó.

bjinhos

gasolina disse...

Quantas vezes não é o homem que constrói a sua própria cela, se prende a algemas sem chave achada, tão só porque desistiu de sonhar, ousar, empreender.

No teu poema sente-se o frio das correntes, o barulho do arrastar dos grilhões, o escuro.

Muito belo.
E sempre este azul lindo, lindo.

Deixo um beijo.

borrowing me disse...

hoje falei em ti
estava a falar com um amigo sobre o meu blog e disse que "amigo" havia deixado um comentário no meu texto, ele próprio com um blog sublime...
são verdadeiros elogios os teus comentários

bjs

Mateso disse...

as velas ardem até ao fim,
De pó somos e de pó seremos...
Bj.

Gasolina,
Sensibilizada pelas tuas palavras bem como pela partilha de emoções.
Um bj.

borrowing me,
Muito sensibilizada . My dear I've borrowed you your kindness and I am just lending you my truthfulness.
I really appreciate your kind words.
Hugs.