Quem sou eu

Minha foto
Alguém que ama a vida e odeia as injustiças

29 julho, 2007

Madame Bonlavout.


Chamam-lhe Madame Bonlavout de seu nome Aimée.

A velha senhora, de oitenta anos que sozinha cruza o Mediterrâneo. Poderá ser a sua última viagem. Tem consciência, mas goza-a, trincando, bebendo e rindo interiormente. Como sempre, aliás o fez.

Semi-deitada numa cadeira no convés, aspirando a brisa marítima, semi-cerra o olhar ainda fulgurante, enrola-se na manta e recorda:

Leopoldville…1928. Son papa e sa mére. Como eram jovens. Ela garotinha. Lembra-se do branco do seu vestido de musselina, do chapéu, dos sapatos de botão. E maman, quelle beauté!… O cheiro adocicado mistura-se no ar de braço dado com o calor. O colorido envolve-a. O céu é azul, muito azul.

Outro lugar, outra memória. A casa... Son pápá brincando com ela nos braços, rodando. Rodando. Como era alto e forte.

-Viens , ma petite, viens… e ela corre enterra o rosto naquele peito largo… E maman? Diz:

-Leopold, estragas esta pequena com mimos…

Cresceu assim, entre mimos e desejos completos. Uma infância de promessas. A terra que a viu nascer era forte, quente e doce. Era África. Cheirava a tubérculos, terra húmida, baunilha e canela. A vida palpitante. Viveu descuidada, era tudo simples. Pensava…

Foi naquele ano, recorda 1940.Tinha vinte anos. Era bela, diziam e sabia-o. Tornara-se impertinente. Tinha o mundo a seus pés. Foi, então que o conheceu.

A fazenda precisava de um novo capataz. Ele veio e Aimée…amou…

Recorda as acácias em flor, o cheiro adocicado, os beijos quentes, as carícias, a sua entrega total. Um feitiço…como a terra que os sustentava. E noite após noite o frémito apossava-se das suas entranhas … e Gérard satisfazia-o. Acabavam adormecendo enroscados. O odor era de musgos e terra. Forte, envolvente e floral. Uma brisa de paixão. Mas… Mademoiselle, sua preceptora, professora, chaperonne e sabe Deus que mais, ameaçou-a de contar aos pais, que a história tinha ido demasiado longe. Que tinha que parar. Ela, era Aimée Bonlavout.

Um mês depois estava casada com Alberto. Recorda o dia do casamento e as palavras do pai.

-Est-ce-que tu es heureuse, ma petite? Oui, papá…e depois as palavras que lhe ficaram gravadas até agora.

-Esperei que lutasses. Esperei mais de ti…

Não sabe explicar o odor que sentiu, então. Ácido, e bolorento. Quase desagradável.

Alberto, foi possivelmente o seu maior erro e fardo. Mas carregou-o dignamente. Era fraco, manipulável, dependente, apenas um bom político… Ela, soube sempre dar graça e charme à sua carreira. A sua beleza e elegância eram por demais conhecidas. O seu carácter foi moldado na força do vazio. Tornou-se forte, lutadora, enérgica, une femme de pantalons e aux pantalons, espalhando um perfume frutado de pomelo e bergamota com pequenos laivos de mandarina e limão. Trés chic.

Já nos anos 60, quando embarcou naquele outro paquete, o Índia, e foi buscar o seu petit-fils a Goa, tinham-na chamado de louca. Ainda lhe ecoavam as palavras:

- Madame, não vá, é uma longa viagem e não sabe o que a espera .Há escaramuças graves Respondera sempre:

- Claro que irei, é o meu neto. Não vou perdê-lo. Jamais!

E fora ,e voltara.

Sempre com força ânimo e muita elegância. Alberto morrera, o neto crescera, depois uma neta. O ciclo de vida fechara-se.

Não concordava com estas ideias liberais, nem com a vida de família si petite bourgeoise de sa fille e son beau-fils. Pensavam ser personagens de uma tela mas, afinal, eram apenas esquiços breves de vidas.

Vivia sozinha, mas viva nas suas recordações.

Soergue-se na cadeira, ao longe o mar, imutável pedaço de verde-azulado embala-lhe assim as recordações. Alguém se aproxima… o Imediato… Soergue-se ligeiramente e lânguida estende a mão esguia. A cabeça está livre do encosto, e move-a com a graça altiva da sua idade, levemente, o suficiente para ter o rosto livre.

-Ah, Madame je vous cherchais… fala um francês correcto apesar de ser Russo. É galante.

Sorrindo, responde:

-Sim?

-Esta noite, o comandante convida-a para a sua mesa…

-Ah, mercie. Com todo o prazer.

Coquette estende a mão que rapidamente é aprisionada pelo cavalheiro de cãs já brancas que desprende um cheiro amadeirado a cedro, tão masculino. Aimée, esconde a idade. São aqueles rostos intemporais que o tempo poupa. Ligeira, caminha lado a lado de Sergei. Junto à porta despede-se, com um au revoir….

Deliciosamente inconsciente, Aimée deixou-se conduzir ao longo do jantar pelo seu anfitrião.

Havia tantos anos que não era assim mimada! Esqueceu a sua vida, os seus cheiros e beijou a alegria. Que dança ,que baile ,que sonho…!

Eis que as luzes se apagam… e rebentam as vozes em som de parabéns… são os seus oitenta anos!

Aimée deixa rolar uma gota pelo rosto mas, helás, agradece sorrindo. É a sua apoteose. As palmas são-lhe devidas.

Já tarde ,bem tarde. Acompanhada regressa ao seu camarote. Páram na amurada. Olham o mar, está negro, denso. Não se separa do céu senão pelos seus pontos cintilantes.

- A lua, onde está? - pergunta

- Ici, sur nos têtes, ma chérie diz-lhe, Kóstia, o comandante.

Inclina-se sobre ela e aflora-lhe um suave beijo nos lábios. Algo de furtivo e doce. Algo… e

lenta, engrossando, vem um odor baunilhado mas tem musgo e bergamota. Mandarina e canela. Lavanda e tubérculos. Tem limão e um pouco de bolor. Pomelo e vetiver. Tem os cheiros da sua Infância, da sua Terra, do seu Amor, da sua Vida…Que a salpica de emoção e suavemente, qual criança retribui o beijo… o seu último beijo de Amor.



.......................................................................................................................................................................

E agora meus amigos.. entro em período de descanso... umas fériazinhas... a banhos...

Até qualquer dia... Um doce beijo.










39 comentários:

Letras de Babel disse...

boas férias!

paz, brisas maritímas, noites quentes...

:)

gasolina disse...

Texto de odores, de texturas, de rugas e amor intemporal.
Viver pleno contra tudo e todos. Gostei da prosa interrompida pelo diálogo en français.
Trés Bon, comme d'habitude, ma chére.

Bon congé!
Retourne vite avec tes paroles bleues.

Beijinho.

Arion disse...

Boas vancanças! ;)

Vertigo disse...

boas férias então,mas volta,que agora estou a gostar-mais-do-que-muito ler(te)..

beijinho

un dress disse...

que vás a banhos...!! MUITO! :)

também irei brevemente de férias...


beijO

gasolina disse...

Um pequeno apontamento sobre o bom gosto das gravuras.

Até à tua volta.
Beijinho

CNS disse...

Esta mulher...madame... Personagem saída de um livro que se cruzou na nossa vida ou... um livro saido da vida?

Boas férias!

Yardbird disse...

Boas férias, descansa muito e...volta.
Beijinho :-)

Anônimo disse...

Quanta nostalgia!... óptimo.

beijos e boas férias

Anônimo disse...

(absinto)

Plum disse...

Boas férias!!!Cheias de magia e harmonia!!!***

Calimera disse...

Obrigada pela visita.
Tens gravuras fantásticas. Adorei.
Tenho de voltar com mais calma.
Boas férias
Bjs

Mário Margaride disse...

Boa férias, minha amiga!

Não gastes muito...

Te esperamos ansiosos.

Beijinhos

Mateso disse...

Letras de Babel
Obrigada. Tenciono fazer por isso.
Um beijo.

Gasolina,
Je te remercie. Au revoir.
Bjinho

Arion,
Obrigada. The very same...
Bj.


Vertigo,
Espero voltar...
Beijinho.

Mateso disse...

Un-dress,
Boas férias também para ti.
Um beijo.

Gasolina,
´Gosto particularmente de Tamara Lempicka.Grata pelo apontamento.
Bj.

Mateso disse...

CNS,
Vou pela primeira...
Beijinho.

Yardbird,
Espero que sim a tudo.
Bj.


Anónimo,
Não é nostalgia... aconteceu quase...
Bj.

Mateso disse...

Plum,
Espero que sim... espero que sim...
Obrigada.
Bjinho

Calimera.
Grata pela visita.
Volta sempre que quiseres.
Um beijo.
Mário Margaride,
Vou.. gastar .. o que é isso?
Enfim... malhas que a bolsa tece...
Obrigada.
Bj.

C Valente disse...

Boas ferias com saude.
Amigo foi de facto por razões de saude que me aposentei, problemas de coração, não de paixaõ antes fosse. mas depois de operado e ter acabado com o stress do dia a dia parece que as coisas estão se recompondo, de pois de mais de 40 anos de descontos, enfim cheguei ao estatuto de Aaddministrador de mim proprio" como um amigo o disse.
è sempre bom o vir vesitar, um banho de cultura é salutar.
Saudações amigas, mais uma vez, bom descanso, cá o espero

Mateso disse...

CM,boas férias...

fica o texto solto como navio esguio em mar de azeite com a doçura do olhar no horizonte...e a terra húmida da magia e da palavra...

um abraço

Mateso disse...

Peço descula a Cm pelo modo como o comentário foi publicado.. mas aconteceu...
Obrigada. Beijo

C Valente disse...

Desculpa o engano, sem ofença, á dias chamei de ela a um ele, ficou talvez um pouco zangado, mas creio que logo passou, agora troquei novamente , não não é sinonimo de
gagá, mas mateso, e não lendo as partes pessoais me enganei
Saudações amigas e um Beijo

C Valente disse...

Obrigado por saber que estou perdoado. Este hino ás mulheres, era também para saberem que eu não só penso em Férias.
Mas sim em muitas coisa da vida,
Saudações com um beijo

vida de vidro disse...

Boas Férias! Tão cheias de sabores e odores como o teu delicioso texto. **

Bruna Pereira disse...

Eu ia comentar o o texto... Mas confesso que o teu "Doce beijo" me estragou os planos e me lembrou a conversa que tive com a Cristina... Não resiti. Ri-me.

Umas boas férias.
Volta em grande. Como és.

:)

Gi disse...

Deixaste-nos com um rasto de odores inebriantes. Boas férias, bom descanso. Eu voltei mas ainda não a 100%.

Um beijo grande e obrigada pela companhia.

Cris disse...

Deliciada..... e encantada. Boas Férias!

Boas férias
Cris

Mateso disse...

Obrigada Gi.. estou de partida em busca de odores...
Beijos

Cris,
Grata pelas palavras...
Um beijo.

Bruna Pereira disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Shelyak disse...

Coincidência... tenho em livro a obra dela... linda... :)

carteiro disse...

Doces palavras, muito doces.
Que o descanso seja o melhor possível. Até um dia destes (breve, espero)

gabriela r martins disse...

regresso meio reconfortada apesar do imenso calor e da imensidão das areias

.
.

os desertos são assim

.

tórridos ,mas deixam sempre imensa saudade quando os deixamos...
regressei ,mas não voltarei mais ao Imprimatvr .quem quiser encontrar.me doravante terá de o fazer
em verso:
http://cantochao.blogspot.com
em prosa:
http://pontocardealnorte.blogspot.com

porque o Imprimatvr cumpriu.se!!!!!

ps - um beijo .espero.vos ,se tiverem a pachorra de me aturar e ler nas direcções acima indicadas .gozem as férias .eu continuo disfrutando.as ,ao máximo ,em outros lugares e latitudes .mas vou estando ,também ,por aqui/ antes ,por ali ... até!!!!!!!

Gi disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Um Momento disse...

Boa leitura....
Chegada ao fim ...
Vais de férias

Que sejam muito boas
Leva contigo um sorriso, um beijo meu:)))

(*)

seilá disse...

li já faz dias e não deixei nada
talvez inebriada tenha preferido o silência, a não palavra
e nem agora encontro aquela que diga do meu encantamento do retrato, instante de vida, que fazes da Senhora
bem hajas

gabriela r martins disse...

hélas!
fechado ,entretanto ,com a chave de ouro .apropriadíssimo este teu conto .e tão ternurento e tão real .ficou.me um cheiro acre a terra por descobrir

.
.

goza bem as tuas férias ,mas volta breve ( quando puderes ,claro! )

.

diverte.te ,mas ... cuidado com as amuradas!!!!! ehehehehehehe


um beijo

Flávia Vida disse...

hist�ria perfumada...
uhmmmm ...
beijinhos
:)

gasolina disse...

As férias continuam...

Daqui um Fantástico fds!

Beijinhos
Saudades de te (re)ler na novidade.

borrowing me disse...

boas férias e volta depressa, pois és muito aguardado

bjs e até já

RB disse...

Boas férias e regressa com mais grandes histórias para contar.