Quem sou eu

Minha foto
Alguém que ama a vida e odeia as injustiças

11 junho, 2007

Casa Vazia

Dali Les trois sphinx de bikini

Casa Vazia….

Quando partem levam no olhar a ilusão de um amanhã… São muito jovens ainda “meninos de sua mãe”… mas partem, deixando para trás um vazio de frio. Um buraco roto de ternura perdida. Partem, porque têm que crescer, como se fosse obrigatório crescer fora. Foi dito quase imposto por alguém, algures num dia frio onde era necessário criar um artifício de forma, qual norma de verdade plangente.

E partem…são jovens, não sabem ainda que o amanhã não é parte do ninho quente onde despertaram. Não sabem e, não lhes foi contado que lá fora, o abrupto vive lado a lado com o plano, sucedendo em formas de emoções ignoradas. Não foi dito. Não podia ser dito a experiência de vida é pessoal, é mito, na fala dos outros.

E partem, na conquista do eu., no vislumbre do amor físico, na alternância da adolescência e maturidade quase entrelaçadas porque não sabem onde acabar e começar. Há confusão, lutas e por vezes caos pessoais. Mas vão crescendo, os meninos que partem. Há perdas e ganhos, há choros e risos, há lutas e devaneios. Há tanta coisa por contar que jamais será contada…

E depois, os meninos cresceram, ficaram iguais aos outros que o mundo já tinha, mas ficou sempre vazio o regaço de ternura, o quente do estar e o espaço da infância.

É a vida vazia de … uma casa.

8 comentários:

Ana Rita disse...

verdadeiro!eu também já fui uma das que partiu,e que trago vazio o regaço da ternura!

Gostei da maneira como definiste esta sensação!

Mateso disse...

Ana Rita,
Obrigada pelas palavras.
Bjs.

CNS disse...

São meninos que partiram de casas que ficaram vazias, que por usa vez vieram de outras casas vazias, e outras... e outras... Porque são os regaços de ternura que perpetuam o que nunca fica vazio...

un dress disse...

outros meninos voltam...? :)




beijO

Mateso disse...

Cris... o eterno rodopiar do pião
das vidas...de tantos meninos... mas aquele lugar, aquele mesmo ficou vazio.. outros,diferentes, espaços físicos criados se encherão
no rolar do pião imutável dos tempos....
Obrigada,
Bjs.

Mateso disse...

Un-dress. Voltam, mas ficam iguais aos outros que o mundo já tinha...
aquele lampejo de infância e adolescência guarda-se num canto qualquer de um quarto da casa ou na alma dos que viram os seus meninos crescer.

Um bj.

seilá disse...

obrigada pelas tuas palavras ( lá e estas)que o crescer pode ser feito sem vazios...às vezes

Mateso disse...

Seilá,
Obrigada pela tua visita e palavras, também.
Crescer...é viver... Sempre ...