Quem sou eu

Minha foto
Alguém que ama a vida e odeia as injustiças

24 março, 2007

Ontem, corri para o mundo...
Hoje, vejo o mundo correr...



Imagem:Zepovinho.jpg

Ser Português

Ser Português é uma arte.

Não uma qualquer criação artística. Não é, a peça pensada, burilada e finalmente criada., não é apelativa, mas é sólida, esculpida pelo bater das águas verdes da costa ou no granito duro da montanha., ou ainda no calcário das serras brancas de ventres rendilhados e vítreos.

Ser português é uma arte.

Na pele tisnada de sulcos cavados, nos olhos profundos de brilho difuso, na garganta cansada ou nas costas vergadas dos anos inquietos de labuta.

É arte do pouco, do fazer muito, do esticar, do sorrir, do ir em frente, do ter sempre esperança para além de qualquer lógica. Mas é intrínseco ao português, dir-se-ia fazer parte da sua corrente sanguínea impelindo-o continuar sempre, a acreditar, … ter esperança em dias melhores. Só um verdadeiro artista tem tal plasticidade.

Falando de artistas… é um povo que os possui em quantidades esmagadoras… uns são cubistas outros dadaístas e outros ainda surrealistas. Com tamanha diversidade de correntes artísticas é natural que por vezes, os artistas lutem entre si por um lugar ao sol É aí que as verdadeiras obras de arte surgem., nem sempre as melhores ou mais dignas, mas sim, a mais mediáticas, porque isto de mediatismo tem que se lhe diga, começando sobretudo por assessorar a imagem e posteriormente saber vendê-la muito bem, sobretudo usando palavras e chavões fáceis, dignos de um ouvido aberto como o do nosso Zé-povinho.

Mas, continuando no mundo das artes, os dadaístas têm proliferado no nosso rectângulo à beira mar plantado, como se as águas do Atlântico que nos banham fossem as geradores de tão ínclitos personagens, nascendo das águas quais tágides camonianas. Mas os dadaístas estão por cá, são visíveis no imediato do nosso quotidiano, mais que não seja pelo seu amor elas novas versões da incoerência e da desordem, que transportadas para o léxico luso serão capazes de significar ordem e lógica, pelo menos como tal são apregoadas. E como dignos representantes desta arte, de um objecto pardo tentam transformá-lo num imagem de marca, tal como Duchamp logrou fazer.

Nós, povo de artistas sorrimos, doridos é certo, mas sorrimos, pensamos que se calhar nos estão a levar à certa, mas de da próxima será melhor, e, entre abanos de cabeça, umas revoltearias, uns apertos de cinto uns tostões esticados, umas dores de cabeça permanentes e, pasmem um olhar límpido de menino expectante, desejoso do prémio de bom comportamento, E pronto, lá vamos esperando pelo dia de voto, para depositarmos a nossa vingança na urna com um pequena cruz noutro sítio. De repente estamos paz connosco, seráficos e conscientes da nossa arte. Porque a seguir virão os surrealistas, coisa sábia e que já deu prova da sua arte….pois é a arte é algo que não se explica sente-se e nós portugueses sentimos muito a arte dos nossos mestres… que inexplicavelmente não conseguem realizar obras primas, apenas e somente por puro acaso de má sorte porque a verdade terá que ser dita, artistas são eles!

Ser português é ou não é uma obra de arte?!

Um comentário:

Espelho Líquido disse...

É de facto uma arte, pena que esteja inacabada :) Beijinhos